OLPC Brazil/30 de julho de 2006

From OLPC

Jump to: navigation, search


GoogleTrans-pt -English -Español -Français -‪中文(中国大陆)‬ -‪中文(台灣)‬ -Hrvatski -Česky -Dansk -Nederlands -Suomi -Deutsch -Ελληνικά -हिन्दी -Italiano -日本語 -한국어 -‪Norsk (bokmål)‬ -Polski -Български -Română -Русский -Svenska


IMPORTANTE: Procuramos não ser opinativos, nos restringindo a apenas apresentar fatos. Mas é claro que isso é impossível. Se quizer fazer algum comentário, clique na lingueta "discussion", edite e ponha seu comentário.


Contents

BOA NOTÍCIA(?), MÁ NOTÍCIA

A boa primeiro: segundo o jornal nigeriano Vanguard, o governo da Nigéria fechou contrato com a OLPC Inc. para comprar 1 milhão de micros. Como vários outros países do mundo (não é o caso do Brasil), existem lá mais de 250 linguas faladas (Yoruba, Igbo, Hausa etc.) mas o árabe é a "segunda lingua" e o inglês a "terceira lingua" - que provávelmente vai ser a usada na implementação do projeto.

Apenas 30% das crianças da Nigéria frequentam escola.

Apesar de o jornal nigeriano ter dado essa notícia, Walter Blender, presidente para software e conteúdo da OLPC Inc., dismentiu: "Ninguém já se comprometeu a comprar nenhum laptop e a OLPC não pediu ainda a pessoa alguma para assinar nenhum acordo de compra."


A má notícia: segundo o jornal India Times, o ministro do Desenvolvimento (HDR) da India declarou-se contra o projeto OLPC. "A Índia não vai se deixar ser usada para experiências com crianças". disse ele. Ele acha intrigante "porque os países desenvolvidos não estão incluídos no projeto? As crianças são um grupo muito vulnerável e sua exposição intensiva a computadores é preocupante. No próprio Estados Unidos existem os que acham e os que não acham que computadores são bons para crianças".

Por outro lado, no MIT, houve uma reunião com Ram Mehra da Ekal Vidyalaya Foundation (ekalvidya.org), e Vikas Taneja, diretor da Pratham (pratham.org). A reunião foi moderada por Raman Sivasubramanyam da Merrill Lynch. Ambos, Ekal e Pratham são entidades entusiastas em novos métodos educacionais a serem implantados na India. A Ekal coordena o “A People's Movement”, um movimento de professores e estudantes voluntários que se dedicam à educação infantil na India.



ENQUANTO ISSO, POR AQUI...

No dia 18 de julho representantes do Ministério da Educação, da Casa Civil, da Presidência da República e de outras áreas do governo, como o Serpro, se reuniram no Ministério da Ciência e Tecnologia,com a presença do ministro da pasta, Sergio Machado Rezende para discutir o projeto OLPC.

Foram apresentados estudos técnicos de três instituições de pesquisa: O Centro de Pesquisas Renato Archer, a Fundação Certi e o Laboratório de Sistemas Integráveis da USP.

A primeira coisa que os pesquisadores da USP constataram é que a máquina apresenta uma boa performance na hora de rodar uma versão “light” do sistema operacional Linux e aplicativos educacionais, como editores de texto, softwares de criação colaborativa e programas que permitem navegar na web.

“Concluímos que o hardware do laptop de US$ 100 já é uma realidade”, diz Roseli de Deus Lopes, professora-assistente do LSI e uma das encarregadas da análise.

“Uma das características mais importantes para o projeto é o consumo de energia do processador. De fato, o chip Geode, da AMD, exige pouca energia para funcionar e não gera muito calor, o que mantém estável o seu rendimento”, concluiu Hilton Garcia Fernandes, gerente de Projetos em Tecnologias Sem Fio do LSI.

Outra surpresa do laptop foi seu desempenho gráfico, que ficou bem acima do esperado nos testes feitos na USP.

O coordenador do projeto brasileiro UCA (Um Computador por Aluno) e assessor especial da Presidência da República, Cezar Alvarez, disse esperar que essa reunião seja um rito de passagem para uma nova fase, uma etapa de aprofundamento e aceleração do uso de computadores na educação brasileira.


O próximo passo será a criação de um projeto piloto que terá como propósito testar como as aulas poderão ser incrementadas com o uso do sistema.

"O projeto pretende medir como muda a dinâmica na sala de aula com notebooks educacionais. Queremos entender como ampliar as possibilidades do professor e como será o comportamento dos alunos", afirma Roseli.

Serão dois colégios no Brasil escolhidos para receberam as máquinas para teste, sendo que um possivelmente será na cidade de São Paulo.

É claro que para esse projeto piloto se concretizar será necessário sistema (hardware e software) equivalente ao do micro OLPC e a criação de rede WIFI nas duas escolas e suporte a tecnologia Mesh de comunicação direta entre máquinas próximas. O que não é coisa simples uma vez que mesmo o software básico (Sugar) ainda está em fase de definições de telas (veja matéria a seguir). Uma previsão ultra otimista para início do projeto - escolha das escolas e outras tarefas que independem de disponibilidade do sistema - seria setembro. Mas, sendo mais realista, parece que nada acontece antes do início de 2007. Mesmo porque, caso tenhamos um Presidente da República que não seja o atual, certamente teremos muitas mudanças no Ministério de Educação.


INTERFACE DAS "ATIVIDADES"

Ficou pronto o design da tela que aparecerá na divisória "Atividades" do micro OLPC, parte integrante do siatema operacional Sugar. Se você nem faz idéia do que seja isso leia o link:Com açucar e com afeto

Na figura temos um esboço de como poderia ser essa tela para os micros brasileiros.

Relembrando: todas as atividades compartilhadas aparecem na "divisória" Atividades (circulos menores) e podem ser "selecionadas" para acesso (passando a ser representadas por círculos maiores, no centro). Uma dessas atividades ocupará a tela cheia, mas o aluno pode sair dela, voltando para a divisória, e pular para outra das "selecionadas", rápidamente. Para selecionar mais uma, demora mais tempo. Uma atividade "aberta" do proprietário do micro aparece na parte inferior ("Desenho", na figura).

É possível vários alunos "executarem" uma atividade em conjunto e não apenas "ver" o outro a fazendo.

Esse recurso de compartilhamento é muito importante pois pode ser usado pelo professor numa aula, apresentando slides, por exemplo. A atividade é feita na sua máquina e os alunos acompanham nas deles.


ALUNO DA UFSC RECEBE PLACA-MÃE

Algumas pessoas já estão recembendo,gratuitamente, no Brasil, uma das 500 placas-mãe do OLPC disponíveis para testes.

Se você está interessado em se candidatar leia o link: Developers' program.

O estudante de sistemas da informação da UFSC, Helber Maciel Guerra recebeu uma e procurou o GeNESS, laboratório do Departamento de Informática e Estatística da universidade para solicitar ajuda.

Em declaração ao boletim da Associação Brasileira de Educação à Distância (ADEB) o professor José Eduardo De Lucca, coordenador-geral do GeNESS disse que, além do ponto de vista tecnológico, o projeto é desafiador principalmente pelo aspecto social. “A possibilidade de ver as crianças carentes de países como o Brasil, ou da África e Ásia, com acesso à informação e os recursos da informática equivalentes ao das crianças de países mais ricos é um desafio mobilizador.A reação cultural regional é ainda uma incógnita. Mas se não estivermos acompanhando de perto, de que outra forma poderíamos debater isso?”, questiona.

Para o projeto, o grupo terá à disposição o Laboratório de Software Livre do Centro GeNESS, localizado no Centro Tecnológico da UFSC. “O GeNESS apóia na UFSC diversas iniciativas ligadas a disseminação e consolidação no uso e desenvolvimento de software livre. No laboratório, estudantes e professores poderão debater, estudar e aprender sobre o assunto, bem como desenvolver projetos livres”, explica De Lucca. Na UFSC, o projeto deverá contar também com o apoio do Programa de Educação Tutorial (PET) da Computação.

NOSSO HOMEM NO OLPC

Agora está confirmado:a Red Hat contratou o brasileiro Marcelo Tosatti para integrar o time responsável pelo desenvolvimento do Sugar. Marcelo já era um voluntário mantenedor do kernel do Linux.

O boletim eletrônico IDG Now entrevistou-o:

"Vou trabalhar aqui em Porto Alegre com o desenvolvimento do kernel para o laptop e também com a infra-estrutura da suíte de softwares, mexendo com compiladores e a biblioteca de softwares básicas" disse ele.

Antes de ir para Red Hat, Tosatti trabalhava na empresa curitibana Cyclades desde setembro de 2003. Anteriormente, tinha trabalhado durante seis anos na companhia curitibana Conectiva.






PARA O DISTINTO PÚBLICO

Os micros OLPC devem custar em torno de US$150 (apesar do apelido: "micro de 100 dólares") e serão vendidos pela OLPC Inc. para governos os distibuirem, de graça, em escolas públicas. Mas existe muita gente interessada em "comprar" um micro OLPC. Assim, a Intel está apresentando seu projeto: "Classmate", um micro que muito se assemelha ao do OLPC.

A Intel não produz computadores. No caso que ela oferece o projeto completo (blueprints) para quem se interessar na produção e comercialização.

O Classmate poderia ter um preço em torno de US$ 300 e poderia vir com Windows ou com o Linux.

O micro OLPC usa um chip da concorrente da Intel: a AMD. O Classmate viria com um chip Intel mobile Celeron.

Escolas particulares poderiam montar projetos educacionais semelhantes ao do OLPC com esse micro, que seria comprado pelos alunos.

(Fotos publicadas pela CNET Networks)

O OLPC DE "LOS HERMANOS"

A entidade educ.ar ligada ao governo argentino promoveu um encontro sobre o OLPC em Buenos Aires ao qual compareceram Walter Bender e David Cavallo. Maiores detalhes sobre a reunião e o projeto OLPC na Argentina podem ser vistos no link do educ.ar/olpc

Se você quer voltar para a página principal do OLPC Brasil vá pelo link: OLPC Brazil

Personal tools
  • Log in
  • Login with OpenID
About OLPC
About the laptop
About the tablet
Projects
OLPC wiki
Toolbox
In other languages